Faça sua doação para nosso projeto clicando no botão ao lado.

Home / Artigos

HALLOEEN, PARA ONDE ESTO LEVANDO SEU FILHO (A)?

 Uma reflexão sobre nosso tempo.

Com a aproximação da festa não cristã denominada Helloween, voltamos a questionar: “Você sabe para onde estão levando seu filho?”

A questão nos remete àquela resposta sábia e profunda de Anne Graham, filha do conferencista mundial Pr. Billy Graham, dada numa entrevista transmitida pela televisão americana. Palavras que até os dias de hoje abrem uma reflexão séria sobre o tema “para onde estão indo nossos filhos”. Para um melhor entendimento e reflexão, dividiremos o texto em três partes, que vocês pais, durante a leitura, deverão estar em oração pedindo a direção a Deus sobre como agir e orientar seus filhos nos dias atuais.

Fazendo uma adaptação àquela pergunta (“Como é que Deus permitiu o ataque horroroso às torres gêmeas em 11 de novembro? ”), poderíamos dizer: “Porque Deus permite que nossas crianças e jovens sejam envolvidas por coisas estranhas? ”). Certamente a resposta de Anne seria: “Eu creio que DEUS está profundamente triste com o que acontece, tanto quanto nós. Por muitos anos nós temos dito para DEUS não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas. Sendo um cavalheiro como DEUS é, eu creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que DEUS nos dê a Sua bênção e Sua proteção se nós exigimos que Ele não sei que há muita gente mandando e-mail a respeito do dia 31 de outubro, mas o que tem ocorrido, realmente faz você pensar. Se você acha que não tem tempo, pelos menos passe os olhos nesta crônica, pois no fundo é algo sério para se pensar… À vista dos acontecimentos recentes…booling, violência dentro das escolas, desrespeito aos professores, aos pais, às autoridades, uso de drogas, pedofilia, prostituição infantil, etc. Eu creio que tudo começou desde que Medelín Murray O’ Hair (adepta ao ateísmo que foi assassinada com seu filho e neta, por membros de sua própria seita, tendo os corpos sito encontrados em 2001), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião (nas escolas brasileiras). Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas… A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, não devemos roubar, e devemos amar o nosso próximo como a nós próprios. E nós (nas escolas brasileiras) concordamos. Há diretores, professores e pais que permitem e até incentivam seus filhos à leitura e prática do Halloeen, promovendo sua realização (os mesmos que proibiram a Bíblia na escola) dizendo que é cultura (a quem estão cultuando?)

Logo depois, o Dr. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua autoestima. E nós dissemos: “um perito nesse assunto deve saber o que está falando”, e então concordamos com ele ( e até criamos lei nesse sentido). Depois alguém disse que os professores e os diretores das escolas não deveriam disciplinar os nossos filhos quando eles se comportassem mal. Os administradores escolares então decidiram que nenhum professor em suas escolas deveria tocar em um aluno quando se comportasse mal, porque não queriam publicidade negativa, e não queriam ser processados. (Há uma grande diferença entre disciplinar e tocar, bater, dar socos, humilhar e chutar, etc.) E nós concordamos com tudo ( a sociedade como um todo).

Aí alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem, e que nem precisariam contar aos pais. E nós aceitamos essa sugestão sem ao menos questioná-la (recentemente a televisão brasileira apresentou um programa sobre esse assunto, e está aguardando alguém tomar providências). Em seguida algum membro da mesa administrativa escolar muito sabido disse que, como rapazes serão sempre rapazes, e que como homens iriam acabar fazendo o inevitável, que então deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas quantas eles quisessem, para que eles pudessem se divertir à vontade, e que nem precisaríamos dizer aos seus pais que eles as tivessem obtido na escola. E nós dissemos, “está bem” (o próprio governo estabeleceu vários locais para distribuí-las de graça, principalmente em grandes festas como o carnaval e o próprio Halloeen) Depois alguns dos nossos oficiais eleitos mais importantes disseram que não teria importância alguma o que nós fizéssemos em nossa privacidade, desde que estivéssemos cumprindo com os nossos deveres. Concordando com eles, dissemos que para nós não faria qualquer diferença o que uma pessoa fizesse em particular, incluindo o nosso presidente da República, desde que o nosso emprego fosse mantido e a nossa economia ficasse equilibrada. Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia, e uma apreciação natural da beleza do corpo feminino. Depois uma outra pessoa levou isto um passo mais adiante e publicou fotos de crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição na Internet. E nós dissemos, “está bem, isto é democracia, e eles têm direito de ter a liberdade de se expressar e fazer isso”. (alguns legisladores já comentaram haver pessoas questionando a possibilidade da votação de uma lei liberando a pedofilia). A indústria de entretenimento então disse: “Vamos fazer shows de TV e filmes que promovam profanação, violência e sexo ilícito. Vamos gravar música que estimule o estupro, drogas, assassínio, suicídio e temas satânicos.” E nós dissemos: “Isto é apenas diversão, e não produz qualquer efeito prejudicial. Ninguém leva isso a sério mesmo, então que façam isso!” Agora nós estamos nos perguntando por que nossos filhos não têm consciência, e por que não sabem distinguir entre o bem e o mal, o certo e o errado, por que não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios, usando drogas cada vez mais violentas… Provavelmente, se nós analisarmos tudo isto seriamente, iremos facilmente compreender: Nós colhemos exatamente aquilo que semeamos!

Uma menina escreveu um bilhetinho para DEUS, dizendo: “Senhor, por que não salvaste aquela criança na escola?” A resposta de DEUS seria: “Querida criança, não me deixam entrar nas escolas! Estão preferindo outras coisas, caminhos desconhecidos e mais atraentes”!

É triste como as pessoas simplesmente culpam DEUS e não entendem por que o mundo está indo a passos largos para o inferno. É triste como cremos em tudo que os jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia nos diz. É triste como todo o mundo quer ir para o céu, desde que não precise crer, nem pensar ou dizer qualquer coisa que a Bíblia ensina. É triste como alguém diz: “Eu creio em DEUS”, mas ainda assim segue a Satanás, que por sinal, também “crê” em DEUS. É engraçado como somos rápidos para julgar mas não queremos ser julgados! Como podemos enviar centenas de piadas pelo e-mail, e elas se espalham como fogo, mas quando tentamos enviar algum e-mail a respeito de DEUS, as pessoas têm medo de compartilhar e ré enviá-lo a outros! É triste ver como o material imoral, obsceno e vulgar corre livremente na Internet, mas uma discussão pública a respeito de DEUS é suprimida rapidamente na escola e no trabalho. É triste ver como as pessoas ficam inflamadas a respeito de Cristo no domingo, mas depois se transformam em cristãos invisíveis pelo resto da semana. Você está achando graça? Você mesmo pode não querer reenviar esta mensagem a muitos da sua lista de endereços porque você não tem certeza a respeito de como a receberão, ou do que pensarão a seu respeito, por lhes ter enviado. Não é verdade? Gozado que nós nos preocupamos mais com o que as outras pessoas pensam nosso respeito do que com o que DEUS pensa…

Portanto, é de suma importância, pais, avós, tios, irmãos, professores, autoridades e toda sociedade comprometida com um futuro digno a essa juventude, redirecionar cada criança, cada jovem, livrando-os do caminho satânico, trazendo-os para a verdadeira luz, que é Jesus!!!
 

Compartilhe